Trecho de CABARET MÍSTICO - por Alejandro Jodorowsky

Eu sou imortal, simplesmente porque a morte é apenas um conceito. Nada desaparece, tudo muda. Se eu aceitar as minhas incessantes transformações, entro na eternidade. Sou infinito porque meu corpo figura de proa do universo, não termina na minha pele, se estende sem limites. Eu sei de tudo porque não sou apenas o meu intelecto, mas também meu inconsciente, formado pela energia escura que sustenta os mundos. Sou onipotente quando deixo de me trancar como indivíduo e me identifico com toda a humanidade. Sou onipresente porque junto com todos os outros seres, sou parte da unidade: o que acontece, mesmo no lugar mais distante, acontece a mim também. Eu sou incriado porque antes de ser um organismo fui matéria ígnea, antimatéria, energia, vacuidade. A minha carne é constituída por resíduos de estrelas que têm milhões de anos. Estou no céu porque a minha terra é um navio que percorre um universo, que por sua vez percorre inúmeras outras dimensões. Eu sou perfeito porque dobrei meu ego, fazendo com que se una à perfeição do cosmos. Eu sou tudo porque sou eu e os outros ao mesmo tempo. O propósito do ser humano é cuidar da alma. Nascemos com uma semente a ser cultivada, se não o fizermos, somos apenas um espírito morto dentro de um corpo vivo. Sem desenvolver a alma, ninguém está acordado. Devemos nos esforçar a encontrar essa luz interior porque, em princípio, não queremos fazê-lo... nós resistimos, estamos com medo de perder nossa identidade. No entanto, no final, como resultado de uma vontade teimosa e tenaz, nós desistimos da última parte da Consciência, uma oferta transparente, e nos dissolvemos felizes no vazio. Foto por Jefferson Allan.