NO CORAÇÃO DE BASHAR - Conceito 13

NO CORAÇÃO DE BASHAR


CONCEITO 13


FACILITANDO A MUDANÇA DE SUAS CRENÇAS


Quando sofremos uma realidade indesejável, temos que voltar atrás e perguntar a nós mesmos:


"No que eu acreditei para criar tal Realidade?"


Uma vez que fazemos contato com a convicção que está criando resultados indesejáveis, nós podemos decidir escolher uma convicção alternativa e de nossa preferência – por qual convicção gostaríamos de SUBSTITUIR a convicção anterior?


Assim, adotamos esta nova CONVICÇÃO-PREFERIDA.


Ah! Aqui é onde costumamos nos enganar. As pessoas frequentemente "escorregam" em suas velhas convicções-preferidas.


Por que?


Normalmente porque são sensos radicados (como um sentimento muito enraizado) e de alguma maneira a velha convicção é "mais real", "mais sólida", mais "como coisas que realmente são", em comparação com a nova CONVICÇÃO-PREFERIDA.


Sendo assim, como podemos nos conectar à nova convicção-preferida?


O fator crítico é:


Se acostumando à ideia de que não há nenhuma realidade, com exceção da realidade que o define (de acordo com as suas atuais convicções);


Se acostumando à ideia de que não há nenhuma realidade, com exceção de tudo que você define como sendo sua realidade para ser.


Se acostumando à ideia de que não há nenhuma “realidade básica” que é algo “mais real” que qualquer outra realidade.


Se acostumando à ideia de que não há nenhuma “realidade básica” que você possa medir e ajuizar como "real".


A realidade na verdade é que não há nenhuma "realidade inerente" (que é essencial a alguém ou algo). O que existem são as realidades geradas por qualquer convicção (sendo que todas as convicções são igualmente-válidas e igualmente-reais). Não há nenhuma definição de realidade que seja mais real ou válida que qualquer outra definição.


Seria como começar uma pintura: a tela é vazia e disponibiliza infinitas possibilidades. É "vazia" porque não há nenhuma realidade inerente, nada! As possibilidades são infinitas porque a realidade pode ser QUALQUER COISA que você defina para ser, de acordo com suas definições e convicções.


Quando isto realmente penetra em nossa mente?


Quando verdadeiramente adquirimos a compreensão da intimidade do caminho, podemos deduzir que não há nenhuma realidade que seja de fato, real. Surge então aquele sentimento prolongado que a velha convicção não tem mais tanta força em sua vida e que a nova convicção-preferida pode se tornar sua nova realidade. Você não sentirá qualquer necessidade radical para correr atrás da velha convicção, porque ela não representa mais seu “mundo real”.


Dessa forma fica mais fácil aceitar que você pode adotar qualquer definição de realidade: versões de realidade que estejam mais alinhadas com seu jeito de ser e com suas preferências atuais, versões de realidade que se afinizam com a "realidade" que você prefere experimentar. E se você se pegar mais uma vez "escorregando para trás", voltando aos seus antigos padrões, que ilustram prévias indesejáveis de definições de realidade, então, simplesmente sente com os braços cruzados e gaste mais tempo contemplando sobre estas ideias:

Não há nenhuma realidade "básica" que seja alguma realidade "mais real" que qualquer outra realidade;


Só existem as realidades geradas por qualquer convicção;


Todas as convicções são igualmente-válidas, igualmente-reais;


Perceba que sua nova convicção-preferida é válida e "real", assim como era sua antiga convicção indesejável (a que você se libertou). Simplesmente e sem esforço, escolha adotar sua convicção preferida.

Imagem: Internet