Luz e sombras

Este é um texto aos empatas e sensitivos, às pessoas que assim como eu sentem em demasia, sentem pela própria dor, sentem pela dor dos indivíduos e da coletividade. O segredo que evita o sofrimento está em não se identificar com as memórias inerentes à sua história ou com a dor vivenciada pelos semelhantes – simples aqui por palavras objetivas, todavia, um grande desafio na prática da vida diária. Igualmente é um texto a quem não sente nada ou mesmo evita olhar ao seu redor, aqueles que só observam, se omitem e cuidam de seus próprios interesses.


Esse sentir pelos outros é reflexo do que vai dentro. É tudo sobre nós. Está tudo dentro de nós. Leve a sua mala, não tente carregar a cruz alheia nas costas. As dores do outro pertencem ao outro e ao seu rol de aprendizados. A necessidade compulsiva em se doar reflete o vazio interior e as carências e dores da nossa criança ferida, criança interna que não está devidamente nutrida. O externo é reflexo do interno. Ao invés de tentar salvar o mundo, salve o seu. Se sentir em seu coração, peça essa cura em suas meditações e momentos de oração. A ponta oposta deste aspecto é quando não sentimos nada e mantemos indiferença, só não sentimos nada quando estamos anestesiados (e existem inúmeras formas insalubres para nos anestesiar). Quem está se anestesiando está tentando fugir de si mesmo e do que precisa ser olhado, sentido, transmutado, curado e integrado aos registros akáshicos.


Quando queremos muito uma pessoa buscamos nela algum conteúdo que diz sobre nós mesmos - o ponto de magnetismo serve como projeção sobre partes de nossa história atual e ancestral que ainda sangram e estão na sombra (ainda inconscientes a nós), do mesmo modo este ponto de atração ou desejo serve como espelho da nossa porção de luz que ainda não acessamos. Em nosso lado sombra habitam as causas dos desequilíbrios e doenças físicas ou da alma, conjuntamente estão presentes os gérmens de virtudes e habilidades que nos é possível desenvolver, permitindo seu florescer à luz do Ser. O julgamento positivo ou negativo sobre alguém ou alguma coisa diz sobre o que gostaríamos ter ou ser e que ainda não conseguimos.