CONSCIÊNCIA E CENTRAMENTO - Por Osho

Primeiro é preciso entender o que significa consciência. Você está andando na rua. Está consciente de muitas coisas - das lojas, das pessoas que passam por você, do tráfego, de tudo. Está ciente de muitas coisas, menos de uma - você mesmo. Você está andando na rua, consciente de muitas coisas e esquecido de si mesmo!

Essa consciência do eu George Gurdjieff chamou de "lembrança de si mesmo". Ele dizia: "Constantemente, onde quer que você esteja, lembre-se de si mesmo". Não importa o que esteja fazendo, nunca deixe de fazer outra coisa interiormente: ficar consciente do que estiver fazendo. Você está comendo - fique consciente de si mesmo. Está caminhando - fique consciente de si mesmo. Quando está com raiva, fique consciente de que está com raiva. Essa lembrança constante de si mesmo cria uma energia sutil, uma energia muito sutil dentro de você. Você começa a ser um ser cristalizado. Na maior parte do tempo você é um saco vazio! Nenhuma cristalização, nenhum centro de verdade - só liquidez, só uma combinação ao acaso de muitas coisas sem nenhum centro. Uma multidão, em constante mudança, mas sem ninguém que a comande. A consciência é o que faz de você o comandante do navio - e quando eu digo comandante não quero dizer alguém que detenha o comando. Quero dizer uma presença - uma presença contínua. Sempre que estiver fazendo alguma coisa, ou não estiver fazendo nada, uma coisa tem de ser constante na sua consciência: que você é. O simples sentimento de si mesmo, e de que esse si mesmo é, cria um centro - um centro de calma, um centro de silêncio, um centro de comando interior. Trata-se de um poder interior. E quando eu digo "poder interior" quero dizer literalmente isso. É por isso que Buda fala do "fogo da consciência" - ela é um fogo. Se começar a ficar consciente, você começará a sentir uma energia nova em você, um fogo, uma vida nova. E, por causa dessa vida nova, desse poder, dessa energia, muitas coisas que dominavam você se dissipam. Você não tem de lutar contra elas. Você tem de lutar contra a sua raiva, contra a sua ganância, contra o sexo, porque voce é fraco. Portanto, na verdade, a ganância, a raiva, o sexo, não são o problema, a fraqueza é o problema. Quando você começar a ficar mais forte interiormente, com um sentimento de presença interior - de que você é -, suas energias ficam concentradas, cristalizadas num único ponto, e nasce um eu. Veja, não nasce um ego, nasce um eu. O ego é um sentido falso de eu. Mesmo sem ter um eu, você continua acreditando que você é um eu - que na verdade é o ego. Ego significa falso eu - você não é um eu, embora acredite que seja. Osho Foto por Stefano Bertocci