hibisco-rosa.jpg

HO'OPONOPONO 

Método havaiano para limpeza energética de memórias dissonantes

Ho'oponopono é uma antiga prática terapêutica havaiana descoberta pelos Kahunas, que auxilia a curar emoções densas e nos ensina a perdoar. Em nosso subconsciente habitam inúmeras memórias de emoções mal resolvidas e que não foram devidamente elaboradas - o que limita nossa expansão de consciência e desenvolvimento espiritual. No processo de limpeza e cura através do Ho’oponopono o terapeuta assume a função de orientador e mediador, com o objetivo de facilitar o ensino para o devido processo de cicatrização das feridas espirituais.

 

Na sintonia do Ho'oponopono também vivemos e experienciamos Aloha!

 

Aloha é a típica saudação havaiana e seu significado espiritual é profundo, representa amor, carinho, compaixão e misericórdia, estado de paz. É a força que nos mantêm ligados e unidos, é a conexão com o Divino. O "Espírito Aloha" nos conecta ao Poder Universal também conhecido como Mana (a força espiritual de um grupo). 

 

Quer aprender de forma objetiva a limpeza Ho'oponopono?

 

É transformadora!

 

Existem várias formas para efetuar a limpeza em si mesmo - o que possibilita sanar seu campo energético de memórias dissonantes. As aulas práticas podem ser on-line ou de forma presencial, a terapeuta Aline Keny pode lhe auxiliar nesta descoberta.​

 

A sessão individual dura entre 1h e 1h30m e custa R$ 180,00. ​

 

Formas de pagamento:

  • Transferência bancária ou Pix;

  • Cartão de crédito via PayPal; ou

  • Boleto bancário.                                                                               

Agendamentos:

WhatsApp https://wa.me/message/4R4GE2NLU7PCC1 ou

e-mail fogovioletaterapias@gmail.com

O Ho’oponopono é um dom profundo que nos permite desenvolver um relacionamento funcional com a Divindade interior e aprendemos a pedir que, em cada momento, os nossos erros de pensamentos, palavras, feitos ou ações sejam purificados. O processo diz essencialmente respeito à liberdade, à completa liberdade em relação ao passado.” 

 

Morrnah Nalamaku Simeona – Criadora do Ho’oponopono da Identidade Própria.

📿

Os meus problemas são memórias que se repetem no meu subconsciente. Os meus problemas não têm nada a ver com uma pessoa, lugar ou situação. Eles são o que Shakespeare poeticamente assinalou em um dos seus sonetos como "antigas aflições renovadas".

 

Quando vivencio problemas de memórias reencenadas, tenho uma escolha. Posso permanecer envolvido com elas ou posso pedir à Divindade que as liberte por meio da transmutação, devolvendo assim a minha mente ao seu estado original de vazio... de ser livre de memórias. Quando estou livre de memórias, sou o meu Eu Divino como a Divindade me criou à sua exata semelhança.

 

Quando o meu subconsciente se encontra no estado zero, ele é intemporal, ilimitado, infinito, imortal. Quando as memórias dominam, ele fica retido no tempo, no lugar, nos problemas, na incerteza, no caos e no pensamento, além de preocupado em enfrentar e administrar as dificuldades. Ao permitir que as memórias assumam o controle, renuncio tanto à clareza mental quanto à minha harmonia com a Divindade. Sem Harmonia, não há inspiração. Sem Inspiração, não existe Propósito.

 

Quando trabalho com as pessoas, sempre peço à Divindade que transmute as memórias do meu subconsciente que são reencenadas como as percepções, os pensamentos e as reações que tenho a respeito delas. A partir do estado zero, a Divindade permeia então a minha mente subconsciente e a consciente de Inspirações, possibilitando que a minha Alma experimente as pessoas como a Divindade as vivencia.

 

Quando trabalho com a Divindade, as memórias transmutadas no meu subconsciente são transmutadas no subconsciente de todas as mentes, não apenas no das pessoas, mas também no subconsciente dos reinos mineral, animal e vegetal, bem como no de todas as formas de existência visíveis e invisíveis. Como é maravilhoso constatar que a Paz e a Liberdade começam comigo.

 

Trecho do livro: Limite Zero - Joe Vitale e Ihaleakala Hew Len. Páginas 34 e 35.